ROTEIRO DAS EXPOSIÇÕES DE CIÊNCIAS JARDIM DA PERCEPÇÃO

O Jardim da Percepção é uma exposição de 600 m² construída ao ar livre composta por objetos interativos exigem envolvimento intelectual dos visitantes. Os objetos estão dispostos de maneira a facilitar a apreensão dos temas científicos e das inúmeras correlações entre eles numa dinâmica que reflete a diversidade de temas científicos, recorrendo aos nossos órgãos sensoriais para perceber a ciência intrínseca nos objetos.

Percepção da Forma

Calçada das Pegadas – as pegadas de mamíferos e aves encontradas na calçada que circunda o prédio do CDCC foram reproduzidas a partir de moldes de pegadas coletadas no campo. Para
explorar essa percepção utilizamos uma dinâmica intitulada.

Quem sou EU?
Quer uma dica? Minhas mãos são parecidas com a palma da mão de uma criança! Quem sou eu?

 

Os crânios e a evolução – os crânios confeccionados em bronze representam espécies que compõem a linha evolutiva do homem: Australopthecus afarensis, Homo habilis, Homo erectus, Homo sapiens neanderthalensis e Homo sapiens sapiens. Possui também um crânio da espécie Gorilla gorilla, que embora não pertencendo a mesma linha evolutiva do homem, ilustra as semelhanças existentes entre elas e o possível parentesco. Esta percepção é estimulada mediante uma questão provocativa em que os visitantes procuram por meio da visão e do tato identificar detalhes que correspondam às espécies.

Na escala evolutiva, qual espécie vem antes e qual vem depois?
Quer uma dica? Podemos visualizar e tocar cinco diferenças marcantes entre as espécies: as
têmporas, as narinas, a arcada dentária, a cavidade dos olhos e os crânios.

Percepção da Direção

Geográfica – representada por uma Rosa dos Ventos. Por que ela é chamada desta forma e quais os pontos cardeais que ela demonstra? Está desenhada no chão logo na entrada do prédio.

Do CDCC à sua casa. Qual direção você deve seguir? Você sabia que a cidade de São Carlos segue a distribuição geográfica baseada no esquema de direção da Rosa dos Ventos. Pergunte ao seu colega onde está localizada a Avenida São Carlos? Qual é a sua direção?

 

Percepção do Tempo Histórico

Painéis fotográficos que resgatam a memória da cidade e outros fatos importantes da nossa cultura. As lembranças são essenciais na contextualização da ciência presente em nossas vidas e na evolução de uma cidade. O presente também deve ser representado, assim como o futuro o qual nos reserva muitas surpresas. São painéis fotográficos impressos em lona que terão temas de interesse geral.

 

Percepção do Som

Tubos sonoros – Essa percepção é estimulada solicitando ao visitante que bata pausadamente em cada tubo observando o que acontece para refletir sobre a seguinte questão:

Do grave ao agudo. De Dó a Dó. O que faz a diferença?
Como percebemos se um som é grave ou agudo? De onde vem isto? Tocando na sequencia do tubo mais comprido para o mais curto, temos a sequência de notas: dó, ré mi, fá, sol, lá si, dó. Será que você consegue tocar esta música nos tubos: dó, ré, mi fá, fá, fá; dó, ré, dó, ré, ré, ré; dó, sol,fá, mi, mi, mi; dó, ré, mi, fá, fá, fá? Os sons são resultantes de vibrações que se propagam em um meio material (ar, água e outros).

 

Tubo de eco – com 30 m de comprimento e diâmetro de 40 cm, permite ouvir o eco de um som emitido em sua extremidade por causa da reflexão da onda sonora na outra extremidade. Vamos retomar alguns conceitos físicos! Você sabe qual o intervalo de tempo que a onda leva para incidir no obstáculo e refletir atingindo novamente o seu ouvido? Dica: ∆ t = 2d / v, sendo v a velocidade do som (340 m/s) e d o comprimento do tubo. Para que percebamos dois sons distintamente, precisamos um intervalo de tempo 0,1 s.

Produza um som! O que acontece? O tubo está aberto ou fechado? Preste muita atenção!

 

Espelhos acústicos – O visitante deve se posicionar frente ao foco do objeto. A seguir é convidado a refletir sobre a seguinte questão: Fale e ouça. De onde vem o som?

Já percebeu situações em que você está entre paredes e de repente ouve claramente o que fala alguém que está afastado? Você sabia que existem espelhos que refletem ondas sonoras e não luz? Dois espelhos parabólicos frontais, a uma distância de aproximadamente 14 m, permitem que você fale em voz baixa no foco de um dos espelhos com uma pessoa situada no foco do outro espelho e assim possam conversar. Por quê? Ondas sonoras emitidas do foco (f = 0,60cm) de um dos espelhos acústicos, ao incidirem na superfície do outro espelho paralelamente ao eixo principal, são refletidas e dirigidas para o foco do segundo espelho.

 

Percepção da Força

Conceitos tão simples, mas ao mesmo tempo tão complexos.

Alavanca – Este objeto possui alta capacidade de interação entre os visitantes, pois exige uma ação recíproca no momento da manipulação.

Levante a cadeira, puxando uma das cordas. Por que fica mais difícil levantar a cadeira quando chegamos mais perto?

Arquimedes já dizia: “Dê-me uma alavanca que moverei o mundo”.

O que é uma alavanca? É uma barra rígida apoiada (ponto de apoio O) utilizada para facilitar o deslocamento de um corpo pesado. A distância do ponto de apoio O, por onde passa o eixo de rotação, à linha de ação da força F, é denominada braço de alavanca, (L). A eficácia de uma força produzir rotação é denominada momento ou torque. Analiticamente o momento (M) é produto da força (F) pelo braço de alavanca (L): M = F L Aumentando o braço de alavanca, pode-se fazer uma força menor para ter o mesmo momento e vice-versa. Você consegue explicar como funciona o pé de cabra que o ladrão usa para forçar uma porta?

 

Percepção da Vertical

O órgão da visão influencia esta percepção.

Casa Maluca – seu assoalho e seu teto têm uma inclinação de 15° com a horizontal. Dentro dela existem objetos que estimulam a percepção da gravidade, do equilíbrio, da força e ilusões de ótica.

A casa está inclinada?
É possível que o interior esteja diferente? Entre e confira.

 

Percepção Térmica

Calor e temperatura – corrimão de uma escada composta por três tubos paralelos com diferentes temperaturas. No tubo de uma das extremidades circula água quente e no outro, água gelada. O tubo central apresenta temperatura ambiente.

Quente ou frio? Qual a sensação? Está pelando! Está frio! Como percebemos isto?

Segure um dos tubos laterais com uma mão e outro com a outra mão. Em seguida segure simultaneamente com as duas mãos o tubo do meio. Você consegue determinar qual a temperatura do tubo do meio? É conhecida a sensação de quente ou frio quando tocamos um objeto ou mudamos de ambiente. Nosso sistema nervoso, ao tocarmos um objeto com a mão, por exemplo, usa o fluxo de calor entre o objeto e a mão para as sensações de quente ou frio: se o calor vai do ambiente para a mão, sentimos “quente”; se sai da mão para o ambiente, sentimos “frio”. Estas sensações podem ser equivocadas quando seguramos com a mão um objeto frio (tubo 2) e com a outra mão seguramos um objeto quente (tubo 1) e em seguida seguramos simultaneamente com as duas mãos um terceiro objeto que esteja à temperatura ambiente (tubo do meio). O que vai acontecer? A mão que segurava o tubo 1 (frio) vai ter a sensação que o tubo do meio (temperatura ambiente) é quente e a mão que segurava tubo 2 (quente) vai ter a sensação que o objeto é frio. Calor é energia em trânsito. Temperatura é uma grandeza física que caracteriza o estado térmico e é medida utilizando o termômetro. Para determinar as temperaturas corretas dos tubos precisamos utilizar um termômetro. Esta experiência é bem antiga e foi sugerida por John Locke em 1690.

 

Percepção da Imagem

Espelhos planos e curvos representam esta percepção.

Por que um espelho inverte as posições? Largo ou estreito? Grande ou pequeno? Observe a imagem. Alto ou baixo. Longo ou curto? Observe a imagem.

Espelho, espelho meu, existe alguém mais gordo do que eu? O que vejo no espelho corresponde ao que existe no redor?

Os espelhos são retos em uma direção (horizontal ou vertical) e curvos na outra. Com isto uma das dimensões é distorcida e percebemos uma aparente distorção de nosso corpo; quem é gordo parece magro ou vice-versa, dependendo do espelho.

 

Percepção do Ambiente

Espaço com vegetação que compõem o Cerrado e a Mata ciliar.

Ambientes onde o olhar, sentir, cheirar são essenciais para se conhecer/perceber o ambiente. Os visitantes ao percorrerem uma trilha têm a oportunidade de explorar as especificidades de cada ambiente. O cerrado é um bioma que vem sofrendo várias alterações causando a extinção de sua fauna e flora.

Nessa trilha do cerrado iremos nos deparar com ipê- amarelo, ipê-felpudo, grumixama, cereja-do-cerrado e araçá. Nossas conversas se somam à utilização dos sentidos dos visitantes, pois têm a oportunidade de tocar, cheirar, em cada uma das espécies citadas acima além de informações sobre as característica das espécies, e utilidades para o ambiente e para nós seres humanos.

Na trilha de mata ciliar encontramos espécies como: palmito-juçara, urucum, manacá-da-serra, embaúda, pau-brasil etc.

 

Energias Alternativas

Energia Solar – Esse objeto é composto por uma placa solar com capacidade de geração de 75 watts direcionada para o Sol. A estrutura pode girar 360 graus e possibilidade de inclinação para posicionar-se o máximo aos raios solares. Integra ao aparato um tubo de acrílico que abaixo tem uma bomba d´água que faz jorrar água dentro do tubo de acrílico transparente que tem uma bolinha de plástico em seu interior de forma que a altura dessa bola indicará se está gerando mais ou menos energia, dependendo da posição da placa em relação ao sol e evidentemente do sol existente.

Energia solar vale a pena? Quanto é o investimento em placas solares residenciais?

Energia Eólica – A energia cinética do ar em movimento pode ser transformada em energia elétrica.

O gerador eólico do CDCC está fixado três metros acima do teto. Ele pode gerar até 400W se o vento tiver velocidade entre 40 e 48 km/h. Segundo a ANEEL o Brasil tem capacidade de energia eólica instalada de 248MW. Isso quer dizer que essa energia está disponível a qualquer momento?

Energia Hidráulica – Assim que se descobriu o gerador elétrico, apareceu a ideia de se usar quedas d’água para construir as usinas hidrelétricas.

Você sabe como a energia gravitacional da água é transformada em energia elétrica? E como a água adquiriu essa energia gravitacional?

Você conhece a Usina de Itaipu? Onde estão as “rodas d’água” dela?