Expressionismo Alemão

Em 2021, para comemorar o aniversário de 40 anos do Cineclube do CDCC, serão sugeridos filmes sobre várias obras de distintos países, cada qual com a sua influência e sua relevância para a nossa amada sétima arte. Sendo assim, para darmos início à nossa programação especial, abordaremos em março o Expressionismo Alemão.

O Expressionismo é um movimento artístico de vanguarda que surgiu na Europa por volta de 1905. Podemos começar a descrever o Expressionismo entendendo o seu contexto geopolítico, lembrando que na época, a Europa passava pelo período da chamada “Paz Armada”, quando a população se preparava para o inevitável conflito, da Primeira Guerra Mundial, em 1914, evento que também estabeleceu fortes influências sobre o movimento. Compreendemos, então, que o clima é de pura tensão e pessimismo, diante do completo caos estabelecido.

Dessa maneira, esta corrente artística surge como um grito de desespero, exprimindo todas as suas emoções e sentimentos, daí o seu caráter subjetivo.  Os artistas exibiram os temas em suas obras retratando-os sempre de forma bruta, distorcida e sombria. No plano de fundo das obras deste período, notamos a ambientação psicológica dos temas, inserida na angústia do homem pessimista da época. Nas artes plásticas, observamos isso na técnica da pasta grossa que consiste na utilização de sobreposição de camadas de tinta, dando espessura a obra, feita de maneira intensa, violenta, com pinceladas fortes e rápidas.

Por consequência, no cinema alemão, principalmente na década de 1920, observamos as fortes influências que o Expressionismo estabelece, fazendo com que reproduzisse algumas de suas características, tais como a distorção na obra, que observamos no exagero das maquiagens, dos figurinos e também nas atuações exaltadas e expressivas, além dos cenários que chegam a ser oníricos devido ao tom quase surreal que vemos em alguns dos filmes, que é mérito em maior parte das direções de fotografia, que conseguiam expressar cada ambiente do filme em harmonia com a direção de cada um dos projetos.

Por fim, também observamos fortemente os tons sobrenaturais que permeiam cada uma das obras, em seus temas quase sempre sombrios, ambientados em cenários decadentes. Nesta fase do cinema alemão, observamos algumas fortes influências também do período medieval Gótico, e de alguns autores muito influentes em suas respectivas áreas de atuação, tais como: Goethe (poesia), Freud (psicanálise) e Nietzsche (filosofia).

 

Thiago Freire Nascimento

(Equipe do Cineclube)