ALMAS PERVERSAS

Scarlet Street, EUA, 1945, Drama, 103 minutos

Direção: Fritz Lang        

Elenco: Byron Foulger, Charles C. Wilson, Clarence Muse, Dan Duryea e Edward Keane

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 12 anos

Contém: Violência

Onde encontrar: YouTube

Uma das consagradas obras de Fritz Lang, diretor do clássico Metropolis de 1927, o filme Almas Perversas apresenta-se como um bom representante da categoria Noir do cinema americano. Seu enredo se baseia na perspectiva de um homem de meia idade que trabalha como caixa de uma empresa, sendo uma pessoa bastante simples e humilde, que vive brigando com sua esposa, que o considera um embuste perto do que foi o seu ex-marido, além de ser frustrado por não ter seguido a carreira de artista plástico que tanto quis quando jovem.

O filme começa apresentando esse caixa, Christopher Cross, também conhecido como Chris, ser presenteado no dia de seu aniversário, sendo reconhecido pelo seu esforço e dedicação na empresa em que trabalha. De madrugada, na ida de volta para a casa, ele se depara com uma moça sendo agredida por um homem no meio da rua, e corre para socorrê-la. O misterioso sujeito consegue escapar e a bela moça se apresenta para Chris como Katherine “Kitty” March, preferindo ser chamada pelo seu apelido Kitty. Na mesma noite, ele a leva para casa, mas a convida a uma lanchonete logo ao lado onde conversa e a conhece melhor. Durante o papo, Kitty acredita que o homem é um grande artista, quando na verdade ele falava apenas de seus hobbies, mas não desmente a história.  Ainda nesta introdução da obra, nos é revelado que o misterioso agressor é na verdade o par romântico de Kitty, que a convence para que ela faça o sujo trabalho de enganar Chris, para que possam ganhar dinheiro com toda a gentileza do benfeitor e é nessa sombria e meticulosa atmosfera de enganação que a trama se desenrola.

Sendo assim, a premissa do filme se desenvolve de maneira bastante clara e linear, se estruturando de forma bem inteligente, o que faz os espectadores se identificarem rapidamente com o protagonista Chris na história, conseguindo nos levar a momentos de choque bem profundos, nas cenas em que observamos certas qualidades do protagonista, que não são tão virtuosas como podemos pensar em um primeiro momento, o que a torna bem interessante e com uma reviravolta muito bem arquitetada pelo roteiro e pela produção do filme, esta que chega a nos lembrar claramente dos filmes do expressionismo alemão, com suas sombras e contrastes muito bem utilizadas, além de uma boa carga emocional presente no espetáculo.

Trata-se de um filme que representa muito bem o cinema Noir americano, mesmo não possuindo muitos elementos tradicionais da categoria, mas que com certeza não perde em nada por isso. Pelo contrário, explora narrativas e situações sob a ótica da linguagem Noir completamente novos, proporcionando até mesmo uma reinvenção do gênero americano.

Thiago Freire Nascimento