O GIGANTE DE FERRO

The Iron Giant, EUA, 1999, Animação/Ficção Científica, 86 minutos

Direção: Brad Bird

Vozes: Eli Marienthal, Jennifer Aniston, Harry Connick Jr., Vin Diesel

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: LIVRE

Áudio original em inglês com legendas em português

Onde encontrar: YouTube, Torrent, Popcorn Time, Looke, Google Play

Baseado na obra O Gigante de Ferro, de Ted Hughes, a animação conta a história de Hogarth Hughes, um garoto de 9 anos incompreendido por sua mãe que encontra um robô alienígena que aparece na cidade de Rockwell, Maine, famosa por avistamento de OVNI’s. O filme conta como, sem memória de sua programação original, o robô faz amizade com o menino, que o transforma em seu “bichinho” de estimação e ensina sobre sentimentos e relacionamentos humanos. Com a ajuda do artista sucateiro Dean, tenta escondê-lo da mãe e do agente federal Kent.

O filme, que se passa durante a Guerra Fria na década de 1950 – período cheio de ameaças de guerra e conspirações comunistas, mostra o nascimento de uma amizade incomum entre estranhos. Ao longo da trama, pode-se refletir como a amizade e confiança são importantes para o desenvolvimento pessoal e interpessoal, e nos faz perceber o clichê de temermos o que não entendemos e conhecemos. Ao trazer questões humanitárias ao roteiro, como preconceito, medo das diferenças e uso de violência, a animação se torna uma reflexão sobre nossos próprios pensamentos e ações para com o outro de forma leve e suave, que alcança todos os tipos de público.

Uma curiosidade sobre o filme foi a mudança de posicionamento do diretor durante a produção, que sofreu uma história trágica com o uso de armas, o que o levou a imaginar como seria se uma arma tivesse alma e não quisesse fazer mal algum. Apesar de não ter sido um sucesso de bilheteria, a animação se tornou um clássico por ser pioneira ao misturar a tradicional animação 2D à mão com inovação da animação computadorizada. Adquirindo um tom sentimental, agitado e muito bem humorado, o roteiro faz deste desenho uma obra, não só interessante para espectadores de todas as idades, mas também muito marcante. O primeiro longa-metragem de Brad Bird foi reconhecido no prêmio máximo da categoria o “Annie”, obtendo quinze indicações das quais venceu nove, incluindo animação, diretor e roteiro.

Mayara Sentalin